Ajude um gringo e seja feliz na gringolândia também

Todo verão é a mesma coisa. Vem chegando o calor e os turistas do Brasil e do mundo começam a aparecer no Rio de Janeiro. A Lapa vai ganhando um colorido diferente, os botecos se enchem de sotaques e mímicas, tem mais gente se encantando com o pôr-do-sol da Urca e a praia ganha novos admiradores. Aí vem o carnaval e os bloquinhos ficam cheios de uma figuras esquisitas empolgadas com a delícia que é andar o dia todo e beber na rua.

Depois do Carnaval a cidade costuma voltar ao normal, mas essa vocação para lidar com gringos os cariocas têm de cor. Fora algumas alminhas mais rebeldes, o Rio de Janeiro sabe lidar muito bem com seus visitantes. Nos Jogos Olímpicos, claro, medalha de ouro para quem ajudar um gringo a comprar um lanche ou a se achar na rua.

E sabe por que eu ajudo? Porque quando estou na “gringolândia” também recebo ajuda. O tempo todo e mesmo quando não peço. Simples assim. Sem fazer muito esforço, lembro de um gringo que me ajudou quando eu estava perdida numa esquina de Paris olhando um mapa. A pessoa – que já nem lembro se era um homem ou uma mulher – bateu no meu ombro, perguntou aonde eu queria ir e me ensinou o caminho.

O perdido daqui é o morador dali. O mundo dá muitas voltas e, se você quer viajar por aí,  é bom aprender a conviver com as diferenças . No mais, o gringo de hoje pode virar seu amigo amanhã. E duvido que você não gostaria de ter um casa de portas abertas em Nova York, Berlim ou Budapeste.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s